Monthly Archives: junho 2016

  • 0

Como educar melhor o cérebro humano! Os caminhos da neuroeducação!

Category : Sem categoria

Como educar melhor? Como aprimorar a aprendizagem? Como utilizar de forma mais produtiva o cérebro humano?

 

Essas perguntas com certeza habitam a mente  de educadores por todo o mundo. Por maiores que possam ser as diferenças culturais e religiosas, queremos poder colaborar de forma cada vez amis efetiva na formação e educação em todos as idades. Fico impressionado como muitos dos conceitos que ainda são defendidos tão enfaticamente por alguns profissionais da área estão completamente equivocados. O desafio não é dizer quem esta certo ou  errado, mas podermos buscar a luz da ciência o que de fato ocorre no processo de aprendizagem. “Aprendizado é  a aquisição de novos conhecimentos. Memoria é a preensão da informação aprendida.”  Sendo assim  percebemos que aprendemos muito as coisas as vezes para simplesmente fazer funcionar melhor o cérebro.  Como assim? A aprendizagem estimula a formação de novas conexões  neurais, por isso insistimos em dizer que devemos estimular as crianças. O cérebro  possui numerosos sistemas para desemprenhar as mais variadas funções. Podem estar relacionadas com as sensações, a motricidade, as emoções, pensamento entre tantas outras. Cada sistema desse possui bilhões de neurônios, lembrando que algumas pesquisa sugerem que temos por volta de 100.000.000.000 bilhões  de neurônios. Cada neurônio tem realizado um imenso numero de conexões (de 200 a 300.000), fica assim evidente que circuito extraordinário existe em nosso cérebro. Então você pode me perguntar qual a grande diferença entre o cérebro de um recém nascido e um ganhador de Premio Nobel. Difícil afirmar com exatidão, mas tenha a certeza que muito esta relacionado ao que foi aprendido e lembrado. Então como trabalhar melhor esse potencial? Como podemos estimular melhor nossos estudantes? A neurociência tem trazido grandes contribuições para isso. Tem respondido muitas perguntas que estavam sem resposta, apesentado novidades que não fazíamos ideias e espera que os profissionais d educação continuem a buscar informações e mesmo fazer perguntas que ainda não possam ser respondidas, afinal como diz um grande amigo neurocientista, provavelmente é so uma questão de tempo. Então quando unimos a educação, a psicologia e a neurociência, nasce uma nova e fascinante área inter e multidisciplinar: a Neuroeducação. Vista  ainda com muitas reservas por alguns setores da área de educação, percebe-se que ela veia para ficar e revolucionar muitos conceitos antigos e sem base cientifica.  é importante deixar claro que o interesse dos profissionais que como eu, como  a Profa. Dra Marta Relvas (reconhecida por muitos profissionais  a maior autoridade  nessa área no pais, é uma referencia  internacional, além de ser a autora das principais obras nacionais sobre esse assunto), o Prof. Dr Renato Sabbatini, que foi um dos primeiros neurocientistas brasileiros abordar esse tema, além de tantos outros é  poder contribuir com um tipo de conteúdo que pode fazer toda a diferença na corpo de conhecimento de um professor, independente da área que ele atue.  Compreender melhor como seu aluno aprende. Como trabalhar de forma mais efetiva seus 2 hemisférios cerebrais. Como melhorar o padrão de aprendizagem, como estimular aptidões e desenvolver talentos, ou colaborar de forma efetiva para o desenvolvimento cognitivo, intelectual, pessoal e profissional.  Trabalhamos com a educação de pessoal nos mais diversos níveis. Educamos crianças, adolescentes, adultos e idosos. Precisamos repensar diversos conceitos pois, não é porque um aluno tem maior inteligência logica que ele não seja inteligente de outras formas.  Quando lancei a teoria da Inteligência Comportamental Humana, procurei valorizar um universo que ia além dos conceitos básicos de inteligências múltiplas ou inteligência emocional. Valorizamos a capacidade de gerar resultado, de atingir objetivos. O que torna isso mais interessante é descobrir que em nosso cérebro existe  um circuito de recompensa (é formado por regiões encefálicas conhecidas como área tegmental ventral, núcleo accumbens, e as regiões cingular e ventromedial do córtex pré-frontal (entre outras)., e podemos trabalhar de forma a utilizá-lo  como um  sistema de metas(Hipocampo e Amigdala). A isso chamamos de Fisiologia da Realização.

Extraído de http://www.virtual.epm.br/material/depquim/animacoes.htm#

 Sim,  podemos ativá-lo de forma cada vez mais intensa, melhorando assim nossa capacidade de planejamento e realização. Então por que não trabalhamos já nos primeiros anos  da educação  infantil com processo orientado por metas. A ausência de cobrança de resultados contribui para a criação de individuas com baixo grau de comprometimento. Vejo isso acontecer de forma preocupante no mundo corporativo, onde passa a ser necessário a implantação de programas comportamentais visando o aprimoramento e desenvolvimento desse profissional nas mais diversas esferas.  A imagem a seguir nos permite compreender melhor os estímulos que usamos automaticamente nos processos de educação atuam em áreas completamente diferentes e dessa forma, fica a pergunta: como estimular de forma mais produtiva a mente  de nossos alunos?

Exames com alta tecnologia como esses, nos permitem ter uma nova percepção de como nosso cérebro funciona, como ele aprende.

Vamos recordar as funções básicas desses hemisférios cerebrais:

Hemisfério esquerdo:

Linear,Lógico, Racional, Não Espacial, Analítico, Verbal, Temporal.

Pensa em função de idéias encadeadas, de modo que um pensamento sucede o outro. Extrai conclusões baseando-se na lógica, tudo segue uma ordem lógica, como por exemplo um teorema matemático e um argumento bem exposto. Não vê as relações entre uma coisa e outra, e como as partes se unem para formar um todo. Extrai conclusões baseadas nas razões e nos dados. Leva em conta o tempo e a ordem das coisas em sucessão. Toma um pequeno fragmento de informação e usa-o para representar o todo

Soluciona as coisas passo a passo e parte por parte.

Usa palavra para manobrar, descrever e definir

 

Hemisfério direito

Espacial, Intuitivo, Não racional, , Não verbal,  Holista, Atemporal.

Tem conhecimento das coisas, através de uma relação não verbal. Une as coisas para formar todos os conjuntos. Observa semelhança entre as coisas, compreende as relações metafóricas.

Não tem sentido de tempo. Não necessita basear-se na razão nem nos danos.

Vê as relações entre uma coisa e outra, e a maneira como as partes unem-se para formar um todo.

Baseia-se em dados incompletos, sensações e imagens. Observa a totalidade das coisas de uma só vez, percebe as formas e estruturas em conjunto.

 

Então:  o lado esquerdo do cérebro interpreta literalmente as frases ditas!

O lado direito interpreta e pode perceber a intenção oculta.

 

Por ser racional, lógico,  o hemisfério esquerdo não é um especialista em criar , inventar e sonhar. Por outro lado,

O hemisfério direito solta a imaginação e cria de forma  quase sem limites.

 

A intercomunicação entre os hemisférios fica a cargo do corpo caloso que  é uma estrutura do cérebro de mamíferos localizada na fissura longitudinal que conecta os hemisférios cerebrais direito e esquerdo.

Trazer esses conhecimentos  de neurociências aos profissionais de educação e solidificar ainda mais as competências é o que eu chamo de Educação Inteligente.

 

A neuroeducação espera contribuir cada vez mais de forma a estimular o real desenvolvimento e aproveitamento dessas informações cientificas e utilizá-las para maximizar a capacidade pedagógica dos professores nas mais variadas situações. A evolução trazida pelos avanços em neurociências so estão começando e fazer uso desse corpo de conhecimento deve ser mais que nunca um dos objetivos e porque não dizer um dos deveres da educação.

 

 

.


  • 0

Abrindo a mente de um psicopata

 

 

– Quais características um possível psicopata apresenta?

mind

1) Encantamento simplista e superficial;    Eles têm uma boa oratória e charme. São simpáticos e conquistadores num primeiro momento.

2)Auto-estima grandiosa ;  Têm uma autoestima exagerada. Se acham melhores que os outros.

3) Necessidade de estimulação. Necessitam de estímulo constante. Ficam aborrecidos facilmente.

4) Mentira patológica;  Mentem principalmente para conseguir benefícios ou justificar suas condutas.

5) Astúcia e manipulação.  Têm comportamento manipulador. E, se forem inteligentes o bastante, os outros não perceberão esse comportamento psicopata.

6) Sentimentos afetivos superficiais.  Quanto à afetividade, são frios e calculistas. Não aceitam as emoções, mas conseguem simular sentimentos se for necessário

7) Insensibilidade e falta de empatia. São indiferentes. E até podem manifestar crueldade.

8) Controles comportamental fraco;

9) Promiscuidade sexual; Têm tendência a uma vida sexual promíscua, com vários relacionamentos breves e ao mesmo tempo. Gostam de falar sobre suas conquistas e proezas sexuais.

10) Problemas de comportamento precoce;

11) Falta de metas realistas a longo prazo; Não têm metas a longo prazo. Vivem como nômades, sem direção.

12) Impulsividade. Eles se comportam impulsivamente. Com ações recorrentes que não são premeditadas. Junto com a falta de compreensão das consequências de suas ações

13) ações próprias. Agem descontroladamente.

14) Incapacidade de aceitar responsabilidade diante de compromissos. Têm uma incapacidade patológica para assumir responsabilidade pelos seus atos. Não aceitam os seus erros. Eles raramente procuram ajuda psicológica, porque acham que o problema é sempre dos outros.

15) Relações afetivas curtas (conjugais).  Acumulam muitos casamentos de curta duração. Não se comprometem por muito tempo por ter que manter um vínculo

16) Delinquência juvenil. Demonstram problemas de conduta desde a infância.

17) Revogação de liberdade condicional;

18) Versatilidade para a ação criminal. Eles preferem golpes e delitos que requerem a manipulação de outros.

19) Ausência de remorso ou culpa. Não sentem remorso ou culpa. Nunca ficam em dúvida.

 

20) Estilo de vida parasitária.

As caracateristicas acima baseiam-se na PSICHOPATHY CHECKLIST-REVISED (PCL-R). Ela é uma metodologia elaborada pelo psicólogo canadense Robert D. Hare pioneiro em estudos de .psicopatia.

PCL-R é uma ferramenta de diagnóstico utilizado para avaliar tendências  comportamentais anti-sociais e psicopatia de uma determinada pessoa.

 

– Essas características podem ser notadas mesmo em uma criança?
Normalmente esse período pode ser determinante na formação de distúrbios que serão geradores de  psicopatias. Traumas, abusos físicos ou sexuais, estão entre os principais fatores. Importante ressaltar que a passagem por isso tipo de situação noa necessariamente dará origem a um psicopata. Podem existir fatores genéticos e além dos sócio- ambientais .

Pode acontecer mesmo em uma idade precoce. Segundo o psiquiatra forense John MacDonald há uma tríade que poderia indicar uma futura personalidade psicopática:

-crueldade com animais,

– piromania e

-incontinência urinária persistente depois dos quatro ou cinco anos de idade.

 

 

– Existem vários tipos de psicopatas? Se sim, quais são?

 

 

– Um psicopata precisa, necessariamente, ter o desejo de matar alguém?

Não necessariamente, a disfunção pode seguir inúmeros caminhos, transitando pela
– Essas características podem ser notadas logo no primeiro contato ou é preciso um tempo de convivência para percebê-las?

Podem passar despercebidas por muito tempo, ate mesmo pela vida toda. Se você for aplicar esse teste a todas as pessoas que conhece ficara surpreso com o resultado e isso poderá deixar você “neurótico” e extremamente ansioso. Nao é incomum  familiares e amigos mostrarem-se surpresos quando descobrem o lado psicótico oculto de alguém próximo a eles. Por isso se torna comum o questionamento sobre  a veracidade dos fatos. As pessoas se perguntam: como eu nunca percebi nada??? Lembrando que existem podem existeir psicopatas que fogem das caracateristicas acima estabelecidas. Elas orientam estaudos e investigação, mas não uma lei, são apenas uma regra. Dai vemos ditados como: por via de regra…
– Eles podem ser influenciados por psicopatas da ficção, como, por exemplo, o Hannibal Lecter e o Dexter?

Sim  a partir  do momento que fatores sócio-ambientais podem ser relevantes, a maxi exposição de tipos relacionados a serial-killers repletos de glamour (Hanibal), “justiça”(Dexter) e impunidade, podem ter influencia e servirem como estímulo para indivíduos ja propensos e sujeito a esse tipo de gatilho..

Sabendo que as estatiscas de transtornos em geral  de personalidade vão de 0,5 a 3%, observamos uma gama de situações de risco, ligadas a um transtorno leve ate à evidenciação de serial killers, tidos pela sociedade como monstros.

Psicopatia é a designação atribuída para um indivíduo portador de uma desordem de personalidade, caracterizada em parte por um comportamento antissocial, diminuição da capacidade de empatia/remorso e baixo controle comportamental ou, por outro, pela pertença de uma atitude de dominância desmedida.


Translate »